MINISTÉRIO DA CULTURA, PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO AND SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA PRESENT

COME AND EXPERIENCE
MANY STORIES.

news

Com leitura de poemas e vídeo desconhecido, Ferreira Gullar é celebrado na Bienal do Livro do Rio

01/09/2017 em via O Globo

Compartilhe:


Geraldo Carneiro, Antônio Carlos Secchin e Ana Paula Pedro lembraram histórias do poeta

RIO — “Ferreira Gullar continua sendo o maior poeta vivo do Brasil. Eu me recuso a acreditar que ele morreu”, disse o também poeta, dramaturgo e acadêmico Geraldo Carneiro, na mesa que celebrou a obra do maranhense, morto em dezembro de 2016, na tarde desta sexta-feira, no Café Literário da Bienal do Livro do Rio. Carneiro, a atriz Ana Paula Pedro e o poeta, professor e acadêmico Antônio Carlos Secchin lembraram histórias que viveram com Gullar, leram poemas e comentaram sua obra. A mediação foi da jornalista Cristiane Costa.

Carneiro contou que conheceu o poeta por um acaso, quando os dois deram aulas na mesma faculdade, após o maranhense voltar do exílio. Fã de Gullar, ele sentia “uma série de sintomas patológicos de tiete”.

— Ficava acanhadíssimo, tremia todo, as palavras mal me saíam dos lábios. Eu simulava uma naturalidade, mas era uma situação sempre constrangedora. Sempre me senti como um pigmeu frente a uma montanha — disse Carneiro, que dividiu muitas mesas de eventos com Gullar e destacou que o poeta sempre dizia o que pensava. — Ele tinha uma sinceridade suicida. Era incapaz de trair a própria verdade, mesmo nas situações mais difíceis. Ele manteve a vida toda uma certa intolerância juvenil, mas até a sua intolerância era notavelmente admirável.

A atriz Ana Paula Pedro leu poemas de diferentes fases da carreira de Gullar, como o “O anjo”, “Como dois e dois” e “O trabalho das nuvens”, arrancando aplausos da plateia. Ela lembrou ainda o episódio em que agendou um depoimento de Gullar para um documentário sobre Geraldo Carneiro sem saber que o dia combinado era o aniversário do maranhense, que comemorava então 80 anos.

— Eu liguei para perguntar se ele não preferia desmarcar e ele: “por quê?”. Sentou comigo, falou do cabelo do Geraldo. A casa dele, a figura dele, era de uma delicadeza e de uma generosidade enorme. No dia do aniversário, estava disposto a falar de outra pessoa — disse Ana Paula.

Já Secchin apresentou a relação do poeta maranhense com o Rio de Janeiro. O acadêmico afirmou que Gullar citou a cidade em 56 poemas. Sua presença foi aumentando aos poucos, estando ausente dos seus primeiros trabalhos. Depois, foi aparecendo aqui e ali a cidade dionisíaca, do verão, do mar, de Copacabana e Ipanema que o acompanhou até a maturidade. O professor lembrou de um poema menos conhecido, “Improviso ordinário sobre a cidade maravilhosa”, em que Gullar passeia pelo Rio de diferentes tempos e regiões, do cais do Valongo até a Penha e à Tijuca.

O momento mais emocionante da mesa foi uma surpresa preparada por Secchin: o vídeo da última leitura gravada de Gullar, de um de seus textos mais famosos, “Traduzir-se” (“Traduzir uma parte / na outra parte / - que é uma questão / de vida e morte - / será arte?”. A gravação foi feita a pedido de Secchin para um congresso em Salamanca, na Espanha, no ano passado, que iria homenageá-lo. Contudo, o poeta maranhense se recusava a voa de avião nos últimos 15 anos de sua vida.

- Ele tomou um pânico de avião depois de uma ponte-aérea mal-sucedida. Quando teve a comemoração dos 40 anos do “Poema sujo”, em Buenos Aires (cidade onde o texto foi escrito) ele foi de automóvel porque achava que era mais seguro. Para Salamanca, eu pedi para ele um manuscrito de um poema e uma segunda coisa – disse Secchin, antes da apresentação do vídeo. Uma cópia do manuscrito do poema também foi distribuída para o público.



Use the #EUAMOLER and #BIENALRIO hashtags and share your love for reading.

SPONSOR
entre letras sponsorship
LITERARY CAFÉ OFFICIAL PAPER
OFFICIAL SECURITY
e-commerce
CULTURAL SUPPORT
SUPPORT
digital area support
OFICIAL TRANSPORTATION
media partner
UNIVERSITY SUPPORT
REALIZATION
AGENTS & BUSINESS CENTER
ORGANIZED AND PROMOTED BY
INFORMATION, QUESTIONS AND
CUSTOMER SERVICE:

+55 21 2441-9348
Working hours: 13:00 to 19:00
contato@bienaldolivro.com.br
PRESS:
Approach Comunicação Integrada
21 3461-4616 - Ramal 133
Adriane Constante
bienal@approach.com.br
ADDRESS
Rua Salvador Allende 6.555
Barra da Tijuca · RJ
22783-127 · Brazil