Ministério da Cultura, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura apresentam
31 de Agosto a 10 de setembro 2017

Releases

Bienal do Livro Rio realiza balanço da 17ª edição em coletiva neste domingo

12/09/2015

Baixe aqui o release

Neste sábado, Café Literário celebrou a história e a cultura da cidade, enquanto Cubovoxes e Conexão Jovem reuniram leitores de todas as idades

A 17ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro promove uma coletiva de imprensa neste domingo, 13, encerramento do evento, para divulgar um balanço na edição, que espera receber mais de 600 mil pessoas ao longo de seus 11 dias. O encontro, que acontece na Sala dos Autores (mezanino 3, Pavilhão Azul), às 17h30, terá participação dos organizadores do evento – o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e a Fagga | GL events Exhibitions – e dos curadores das atividades da programação cultural.

Neste segundo sábado de Bienal, o Café Literário recebeu os historiadores Mary del Priore e Jacques Leenhardt . Em homenagem aos 450 anos do Rio, a mesa apresentou o cotidiano dos cariocas durante o século XIX. Autor do livro Jean-Baptiste Debret, viagem pitoresca e histórica no Brasil, Leenhardt identificou as diversas transformações históricas ocorridas no país a partir de gravuras do pintor, feitas durante a sua estadia no Rio de Janeiro: "Debret fez 600 aquarelas enquanto esteve no Brasil e viveu todo o processo de transformação da colônia portuguesa em uma nova nação. Filho da Revolução Francesa, ele tinha uma noção diferente das mudanças sociais pelas quais o Rio e o país todo passavam", afirmou.

Para Mary del Priore, o pintor retratou muito bem a vida nas ruas da cidade e a configuração da sociedade na época. "Com a abertura dos portos, o Rio recebeu gente do mundo todo, e isso acelerou a transformação local. Debret fez uma documentação
visual de alto nível, desde o comércio até as atividades mais curiosas, como catar piolhos e pentear os cabelos nas sacadas das casas", comentou Mary.

Dando continuidade às comemorações, a mesa com o jornalista e escritor Ruy Castro destacou as diversas faces do Rio de Janeiro ao longo do tempo. Citando Nelson Rodrigues ao dizer que “o passado tem sempre razão”, Ruy contou que suas pesquisas revelaram que na década de 1930 Di Cavalcanti já dizia que a cidade maravilhosa havia ficado para trás. Ele relatou também que, nos anos 1960, o amigo e jornalista Paulo Francis falava que o Rio tinha acabado. “Não tem para onde correr. A Cidade Maravilhosa nunca vai existir no tempo de ninguém. Ela só existe no passado. Em 20 ou 30 anos muita gente lembrará do Rio de 2015 com saudade”, afirmou. O jornalista ainda celebrou a revitalização da Lapa, a volta do carnaval de rua – movimentos que acredita ser de geração espontânea da sociedade – e a implosão do Elevado da Perimetral, que, ao banir os carros, devolveu uma importante área da cidade à população.

Também no Café Literário, em um bate-papo descontraído, o historiador Clóvis Bulcão, o jornalista Julio Maria e o jurista e professor Gustavo Binenbojm contaram um pouco dos bastidores na luta pela queda da censura prévia às biografias no Brasil. Gustavo lembrou que o país era o único democrático do mundo onde o objeto biográfico tinha que autorizar a publicação do texto sobre si, enquanto Julio Maria contou que foi o último biógrafo a ter que enviar seu texto para a aprovação dos herdeiros.

“Eles optaram por não interferir em uma linha sequer do meu trabalho, mesmo que não gostassem de tudo o que eu estava revelando sobre a personalidade de Elis. No livro, inclusive, agradeço à família por acreditar em meu trabalho e respeitar a liberdade de expressão”, disse Julio. Para Clóvis, o maior mérito das biografias é o de revelar situações da história do Brasil por meio da vida de pessoas que contribuíram muito para a construção do país e de sua cultura.

Em seguida, a mesa Grandes lançamentos juntou os escritores Marcelo Rubens Paiva, Paulo Scott e Ronaldo Correia de Brito para uma conversa sobre seus novos trabalhos. Com mediação da jornalista Valéria Lamego, os autores abordaram o universo de seus
livros e apresentaram, respectivamente, os novos Ainda estou aqui, Ithaca road e O amor dos sonhos.

Encerrando a noite de sábado no espaço, os antropólogos Lilia Schwarcz e Luiz Eduardo Soares, mediados pelo jornalista Alberto Dines, debateram alguns aspectos da história ligados à formação sócio-cultural brasileira. Autora do livro Brasil: uma biografia, Lilia contou que a publicação desconstrói certos estereótipos. "Chacoalhamos alguns mitos fundamentais brasileiros, como, por exemplo, o de que o Brasil é um país pacífico, de que só tivemos uma guerra. Na verdade, somos um país de golpes, violento. E isso permanece até hoje. Entre história e memória há uma diferença fundamental: a história congela a memória, mas também a trapaceia com silenciamentos importantes", defendeu.

Por outro lado, Luiz Eduardo Soares, autor de Elite da tropa, reuniu importantes relatos em seu novo livro Rio de Janeiro – Histórias de vida e morte. "Foi o livro mais difícil que já escrevi. São histórias minhas e de outras pessoas que emocionam e sensibilizam, mas que também são reveladoras. Tratam de desigualdade, violência, racismo e política, configurando um lado perverso da cidade e de nossa cultura", revelou.

Cubovoxes

No Cubovoxes, espaço dedicado à cultura jovem, durante a mesa que discutia a aprovação da PEC 171/1993, sobre a redução da maioridade penal, na Câmara dos Deputados, o deputado federal Alessandro Molon defendeu que jovens infratores precisam ser punidos, mas que essa punição deve ser inteligente, buscando recuperar o indivíduo que acabará retornando ao convívio em sociedade.

“Não há nenhuma estatística que comprove o envolvimento de menores de idade em crimes. Temos a sensação de que muitos jovens estejam envolvidos, mas isso não significa que esse sentimento corresponda a realidade brasileira. Números recentes dão conta de que a participação desses jovens representa 1% em crimes gerais e 0,5% nos crimes contra a vida. Por isso é preciso que o Congresso produza um levantamento confiável sobre o tema, para que, a partir daí, sejam discutidas políticas públicas para a solucionar essa questão tão relevante”, afirmou.

Outro encontro foi entre a jornalista Flávia Oliveira e Atila Roque, diretor da Anistia Internacional do Brasil, no bate-papo Jovem negro morto... Vamos mudar essa notícia? O tema foi abordado pelo ponto de vista histórico e social. “Existe um vácuo na atenção política pública com o adolescente. Precisamos enfrentar e derrotar raízes preconceituosas de um país machista e racista”, disse Flávia. Para Átila, “é preciso parar para escutar e tentar entender o outro e circular mais pela cidade para quebrar a indiferença racial”.

Depois, o escritor Pedro Gabriel, autor de Eu me chamo Antônio, participou do bate-papo sobre o processo de criação de sua obra, que nasceu na mesa de um bar e conta, em desenhos e frases escritas em guardanapos, suas lembranças, saudades, alegrias e tristezas. “A poesia brinca com palavras próximas e sonoridades”, disse.

Conexão Jovem

A britânica Sophie Kinsella foi a primeira atração do Conexão Jovem deste sábado. A autora da série Os delírios de consumo de Becky Bloom, que já vendeu cerca de 300 mil exemplares no país, teve um encontro bem-humorado com os fãs e se disse surpresa com a recepção calorosa dos brasileiros. “É incrível e surpreendente ver tanta gente aqui que gosta de mim e do meu trabalho. Amo o Brasil, não tem ninguém que seja como vocês.”

Sucesso de público na plataforma de leitura Wattpad e, posteriormente, nas livrarias de todo o mundo, a norte-americana Anna Todd participou da segunda rodada do Conexão Jovem. A escritora, que se tornou mundialmente conhecida com a série After, em que transformou os integrantes da banda One Direction em personagens de uma história romântica, falou com o público a respeito dos altos e baixos do casal central da trama, Tessa e Hardin. “São jovens que vivem entre idas e vindas e que se descobrem um no outro, como muitos outros casais de adolescentes. A intensidade desse relacionamento é o combustível para toda a história. Talvez por isso as meninas se identifiquem tanto.”

Já a mineira Paula Pimenta, fenômeno da literatura juvenil, faz parte de um crescente grupo de autoras nacionais que arrastam uma multidão de fãs por onde passa. Terceira atração do Conexão Jovem neste sábado, Paula falou sobre o início difícil e as tentativas de publicação de seu primeiro livro que, nas palavras dela, foi “paitrocinado”.

“Logo que comecei, sofri muito preconceito. O mercado e os leitores estavam em uma vibe de que o melhor vinha de fora, que o produto brasileiro não tinha tanta credibilidade quanto o internacional. Aos poucos esse cenário foi mudando, e hoje temos várias autoras brasileiras fazendo tanto sucesso quanto as americanas ou inglesas. As próprias editoras viram isso”, disse a autora de Fazendo meu filme e Minha vida fora de série.

O último encontro do dia foi com Colleen Houck, do sucesso A maldição do tigre e o lançamento O despertar do príncipe, primeiro volume da série Deuses do Egito. Ela comparou os eventos literários nos EUA à Bienal Internacional do Livro Rio. “Achei muito diferente, aqui o envolvimento com o autor é muito maior. E, acima de tudo, vejo muitos jovens circulando pela feira, o que é sensacional.”


Fotos em https://www.flickr.com/photos/101023397@N04/.

Mais informações para a imprensa:
Adriane Constante – adriane.constante@approach.com.br
João Veiga – joao.veiga@approach.com.br
Claudia Montenegro – claudia.montenegro@approach.com.br
Tel.: (21) 3461-4616 – ramal 179 – www.approach.com.br

 

Use as tags #EUAMOLER e #BIENALRIO e compartilhe seu amor pela leitura.
Patrocinadores
Informações, Dúvidas e SAC:
+55 21 2441-9348
Atendimento: 13h às 19h

Local do Evento:
Riocentro
Av. Salvador Allende, 6.555
Barra da Tijuca - Rio de Janeiro - RJ
22780-160 - Brasil