Releases

nome Voltar

Ana Maria Machado será homenageada na Bienal do Livro Rio

Escritora celebra 50 anos de carreira e estará na primeira mesa do Café Literário

Ana Maria Machado será homenageada na XIX Edição da Bienal Internacional do Livro Rio pelos seus 50 anos de carreira. Toda a obra da autora, da literatura infantil aos ensaios e romances, terá destaque no festival, que acontece de 30 de agosto a 8 de setembro no Riocentro. A primeira mesa do Café Literário, no dia 30 de agosto, às 17h, será dedicada a ela. A escritora conversa sobre as cinco décadas dedicadas à literatura com o anfitrião da Bienal do Livro Rio, Marcos Pereira, presidente do Sindicato dos Editores de Livros (SNEL).

Para Marcos Pereira, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros e da Comissão da Bienal, celebrar 50 anos de carreira da autora é, também, celebrar a literatura brasileira: “Ana Maria Machado está presente na formação de todo pequeno leitor e suas histórias acompanham gerações. Desde clássicos da literatura infantil a textos para o público adulto, sua obra é riquíssima. É um prazer abrir a ‘sala de visitas’ da Bienal do Livro para uma das maiores autoras do nosso país”.

Ganhadora do Prêmio Hans Christian Andersen (2000), considerado o Nobel da literatura infanto-juvenil, a jornalista e escritora Ana Maria Machado é autora de mais de 100 títulos, alguns deles publicados em 17 países, somando mais de 18 milhões de exemplares vendidos. Desde 2003, Ana Maria Machado ocupa a cadeira 1 da Academia Brasileira de Letras.

Formada em Letras, a escritora lecionou na UFRJ e PUC-Rio. Após ser presa durante a ditadura militar, em 1970 deixou o Brasil rumo a Paris. Na bagagem, levava cópias de algumas histórias infantis que estava escrevendo, a convite da revista Recreio. Trabalhou como jornalista na revista Elle, em Paris, e no Serviço Brasileiro da BBC de Londres, além de se tornar professora de Língua Portuguesa na Sorbonne. Nesse período, participou de um seleto grupo de estudantes na École Pratique des Hautes Études com Roland Barthes, sob cuja orientação terminou sua tese de doutorado em Linguística e Semiologia. O trabalho resultou no livro “Recado do Nome” (1976), sobre a obra de Guimarães Rosa. Seu primeiro livro infantil, “Bento-que-Bento-é-o-frade”, foi lançado em 1977 e, no ano seguinte, “História Meio ao Contrário” ganhou o Prêmio João de Barro e, depois, o Jaboti.

De volta ao Brasil, como jornalista, trabalhou no Correio da Manhã, no Jornal do Brasil, em O Globo, além de colaborar com as revistas Realidade, Isto É e Veja. Durante sete anos, chefiou o jornalismo do Sistema Jornal do Brasil de Rádio. Em 1979 fundou, ao lado de duas sócias, a Malasartes, primeira livraria brasileira dedicada exclusivamente a crianças e adolescentes. Abandonou o jornalismo em 1980, para a partir de então se dedicar aos livros. Em 1993, Ana Maria se tornou hors concours dos prêmios da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ).

Há 35 anos vem exercendo intensa atividade na promoção da leitura e fomento do livro em consultoria e seminários da UNESCO em diferentes países e sido vice-presidente do IBBY (International Board on Books for Young People). Ana Maria também é reconhecida pela produção de literatura para adultos, com o premiado “A audácia dessa mulher” (1999) e “Texturas — sobre leituras e escritos” (2001), dentre outros.

BAIXAR PDF

Outros Releases

10/07/2019

Ana Maria Machado será homenageada na Bienal do Livro Rio

Apresenta
Patrocinador Master
Patrocínio E-commerce
Patrocínio Café Literário
Patrocínio Segurança Oficial
Patrocínio Praça Leitura
Patrocínio Cultural
Apoio
Apoio Cultural
Patrocínio
Patrocínio Tecnologia Oficial
Parceiro de Mídia
Realização