Releases

nome Voltar

Fórum de Educação: Ana Maria Machado revive seus 50 anos como escritora e cobra valor ao professor

Em um dos momentos mais emocionantes da Bienal do Livro Rio, a escritora Ana Maria Machado conversou sobre momentos marcantes de sua trajetória, em um bate-papo com professores. Ao falar de seus 50 anos dedicados à literatura, ela relembrou o início da carreira, no final dos anos 60, quando escrevia na Revista Recreio ao lado de outros ícones como Ruth Rocha e Joel Rufino.

“Nessa época, nunca tinha pensado em escrever para crianças”, relembrou Ana Maria. Pouco tempo depois, ela começou a descobrir o encanto de produzir literatura infantil. “Gostava muito do processo de fazer uma narrativa com várias camadas de significado, que pudesse ser lida de maneiras distintas para leitores diferentes”, comentou a escritora.

Ainda ao recordar sua trajetória, Ana Maria Machado ressaltou que os professores tiveram um papel decisivo para impulsionar a produção dela e de outros ícones da literatura infantil do país. “Os professores me adotaram. Em 1970, a legislação exigia que as escolas utilizassem leituras extracurriculares. Nessa época, muitos deles usaram a Revista Recreio em suas turmas ou recomendaram a publicação aos seus colegas. Eles nos perceberam, nos resgataram e souberam nos aproximar dos leitores”, destacou.

 

Confiança nas instituições e valor ao professor

Filha, neta e sobrinha de professores, Ana Maria Machado também mostrou preocupação com um movimento atual de contestação da credibilidade de estudos científicos e informações produzidas por institutos de pesquisa. Ao responder uma pergunta da plateia, ela defendeu a necessidade de reafirmar a confiança no trabalho das instituições que produzem conhecimento no país. “Estamos vendo doenças voltando simplesmente porque as pessoas não acreditam na eficiência das vacinas”, comparou.

Uma das mais consagradas escritoras do país, ela também falou aos professores sobre o desafio de produzir literatura infantil. Nesse segmento, diz Ana Maria Machado, os bons livros são aqueles que vão além de encantar as crianças. “O adjetivo infantil, nesse caso, não tem função restritiva; é ampliativa. Ela também é infantil. Se a literatura não permite isso, é apenas entretenimento.”

Ana Maria Machado também falou sobre o carinho que tem por aqueles que se dedicam à formação dos estudantes de todas as idades. E ressaltou que vê nos professores a esperança de dias melhores para o país. “São os professores que vão contribuir pra que façamos do Brasil o país que merecemos ser e não isto que estão nos condenando a ser.”

Outros Releases

05/09/2019

Fórum de Educação: Ana Maria Machado revive seus 50 anos como escritora e cobra valor ao professor

Apresenta
Patrocinador Master
Patrocínio E-commerce
Patrocínio Café Literário
Patrocínio Segurança Oficial
Patrocínio Praça Leitura
Patrocínio Cultural
Apoio
Apoio Cultural
Patrocínio
Patrocínio Tecnologia Oficial
Parceiro de Mídia
Realização